Mar Português: Cais das Colunas in Lisbon, Portugal (May 2012)

a phantom longing haunts the riverside

immersing the senses in water

now Goa, now Lisbon

527678_427632160600646_1149970969_n600191_427631817267347_70514201_n_MG_0397_MG_0388_MG_0400_MG_0401_MG_0406_MG_0414_MG_0445

Gigante Adamastor

Não acabava, quando uma figura
se nos mostra no ar, robusta e válida,
de disforme e grandíssima estatura;
o rosto carregado, a barba esquálida,
os olhos encovados, e a postura
medonha e má e a cor terrena e pálida;
cheios de terra e crespos os cabelos,
a boca negra, os dentes amarelos.

Luís de Camões, Os Lusíadas, Canto V, estrofe 39

O mostrengo que está no fim do mar

Na noite de breu ergueu-se a voar;

À roda da nau voou três vezes,

Voou três vezes a chiar,

E disse: «Quem é que ousou entrar

Nas minhas cavernas que não desvendo,

Meus tectos negros do fim do mundo?»

E o homem do leme disse, tremendo:

«El-rei D. João Segundo!»

Fernando Pessoa, Mensagem