Mar Português: Cais das Colunas in Lisbon, Portugal (May 2012)

a phantom longing haunts the riverside

immersing the senses in water

now Goa, now Lisbon

527678_427632160600646_1149970969_n600191_427631817267347_70514201_n_MG_0397_MG_0388_MG_0400_MG_0401_MG_0406_MG_0414_MG_0445

Advertisements

Os Lusíadas, Canto V

37
"Porém já cinco Sóis eram passados
Que dali nos partíramos, cortando
Os mares nunca doutrem navegados,
Prósperamente os ventos assoprando,
Quando uma noite estando descuidados,
Na cortadora proa vigiando,
Uma nuvem que os ares escurece
Sobre nossas cabeças aparece.
38
"Tão temerosa vinha e carregada,
Que pôs nos corações um grande medo;
Bramindo o negro mar, de longe brada
Como se desse em vão nalgum rochedo.
--"Ó Potestade, disse, sublimada!
Que ameaço divino, ou que segredo
Este clima e este mar nos apresenta,
Que mor cousa parece que tormenta?"--